TV Centro Sul

IBOPE envia nota para o Iguatu.net e TV Centro Sul Canal 177 BRISANET sobre o caso dos pesquisadores, em Iguatu

Por Equipe Iguatu.net em 28/05/2020 às 19:00:31

São Paulo, maio de 2020 – O IBOPE Inteligência vem a público esclarecer os acontecimentos em sua tentativa de realizar uma pesquisa sobre COVID-19 com a população de Iguatu nos dias 14 e 15 de maio, quando nossas equipes que coletam os exames e os dados enfrentaram dificuldades na cidade.

O projeto EPICOVID19-BR foi submetido à apreciação ética da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), tendo sido aprovado no dia 28 de abril (CAFE 30721520.7.1001.5313). Trata-se de uma pesquisa coordenada pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas e financiada pelo Ministério da Saúde, que tem por objetivo medir a prevalência do coronavírus e avaliar a velocidade de expansão da COVID-19 no país. Para a coleta de dados, foi contratado, via processo seletivo, o IBOPE Inteligência.

Na véspera das equipes irem a campo, o Ministério da Saúde enviou ofício aos gestores locais, com cópia às secretarias estaduais de Saúde, aos conselhos nacionais de Secretários de Saúde (Conass) e de Secretarias Municipais de Saúdes (Conasems). Um aviso sobre sua realização foi estampado na capa do site do ministério. Além disso, os prefeitos das 133 cidades que participaram da primeira fase do estudo (Iguatu é uma delas) receberam um email com informações sobre como funciona o estudo e com a solicitação de garantia da segurança para nossas equipes, direito à livre circulação e apoio para descarte do lixo infectado.

Embora o Ministério da Saúde tenha enviado ofício para as Secretárias de Saúde, em alguns casos aparentemente esses ofícios não chegaram ao conhecimento das autoridades locais, o que causou a paralisação da pesquisa, como ocorreu em Iguatu.

Esclarecemos que além de oficial e chancelado pelas principais autoridades sanitárias do país, o estudo é baseado em testes aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e fornecidos pelo próprio Ministério da Saúde. Todos os pesquisadores são testados e só os negativados participam do trabalho de coleta dos dados. Para ingressar nas casas, eles vestem equipamentos de proteção individual com óculos, máscara, luvas, avental e proteção para os pés. Ao fim de cada visita, o material é descartado em sacolas plásticas próprias para este material.

O estudo consiste numa testagem por amostragem. Em cada cidade, os pesquisadores sorteiam o bairro, a residência e o morador que será submetido a um teste rápido. Após uma coleta de sangue na ponta do dedo, é aplicado um questionário sociodemográfico e respondem se apresentam sintomas da covid-19. O resultado do exame sai em 15 minutos. Se der positivo, todas as demais pessoas da casa também são testadas e colocadas em isolamento, com comunicado oficial às autoridades médicas. A partir dessa amostragem, é possível, medir quantas pessoas estão infectadas no país.

O estudo ainda prevê a realização de mais duas etapas nas próximas semanas, motivo pelo qual voltaremos à Iguatu, com apoio das autoridades locais, para realizar nova onda de entrevistas e testes. Os moradores de Iguatu que não forem selecionados para responderem a pesquisa também podem ajudar divulgando o estudo e evitando a disseminação de notícias falsas sobre a pesquisa.

Fonte: Assessoria de Imprensa IBOPE

Zenir

Comentários

fic